Fotos coloridas do início do século 20 parecem novas

Em 1905, um fotógrafo russo criou uma câmera que fotográfica que podia fotografar usando três lentes com um filtro de cor diferente em cada uma delas (vermelho, verde e azul). Isto permitia que as fotos fosse combinadas posteriormente para que ficassem coloridas.

O resultado da invenção de Sergei Mikhailovich Prokudin-Gorskii (1863-1944) pode ser visto hoje: fotos coloridas do início do século 20 com ótima qualidade que parecem ter sido tiradas ontem.

No início do século 20, Prokudin-Gorskii criou um plano ambicioso que basicamente consistia em viajar por todo império Russo tirando fotos. Entre as fotos tiradas por Prokudin-Gorskii está a única foto colorida de Leon Tolstoy, tirada em 1908.

Após sua morte em 1944, a Biblioteca do Congresso dos EUA comprou tudo o que pertencia a ele e junto estavam os negativos das fotos. Detalhes sobre a exibição e sobre o trabalho de Sergei Mikhailovich Prokudin-Gorskii podem ser vistos aqui.

Confira algumas das fotos tiradas por ele:


A única fotografia colorida de Leon Tolstoy
(tirada em 1908)

A câmera original de Prokudin-Gorskii utilizava uma placa de vidro com cerca de 76,2 mm x 228,6 mm colocada verticalmente. Como não existe uma réplica da câmera usada por ele, os responsáveis pela exibição usaram um processo digital para obter as fotos a partir dos negativos originais.
Com a câmera original, primeiro era preciso fotografar a mesma cena três vezes em uma sequência rápida usando um filtro vermelho, um filtro verde e um filtro azul:

Ao ser visualizada na câmera de Prokudin-Gorskii, a cena fotografada podia ser vista em uma sequência de três imagens e em ordem reversa:


Cena fotografada usando a placa de vidro (à esq.) e
visualizada pelas lentes da câmera

No processo digital, o negativo original em três partes é digitalizado com uma câmera digital especial usando uma escala de tons de cinza. Um software de edição de imagens converte a imagem digitalizada do negativo para positivo. Depois disso a imagem digitalizada é invertida para representar a orientação física original.

Com isso a imagem digitalizada da placa de vidro é reduzida a uma escala de tons de cinza de 8 bits. Após esta etapa a imagem tem seu contraste revisado, grau de separação de cores ajustado e outros detalhes que podem influenciar nas cores da composição final.

Em seguida a imagem digitalizada da placa de vidro é alinhada e as bordas são cortadas:

Em seguida um arquivo eletrônico é criado para cada imagem recortada, formando assim três "camadas" que gerarão a composição final de cores. As três camadas recebem seus nomes de acordo com suas cores:

Ainda usando o modo com a escala de tons de cinza (ou modo grayscale), as três camadas são alinhadas formando a composição RGB (red, green e blue). A parte do registro é o processo mais difícil, já que se uma das camadas estiver desalinhada, a foto final será prejudicada.

Em seguida a composição RGB é recortada para eliminar tudo menos a área fotográfica em comum nas três camadas:

A composição então é ajustada para criar o contraste correto, efeito de luz apropriado, detalhes das sombras e equilíbrio de cores:

Os ajustes finais são aplicados em áreas específicas para minimizar os defeitos associados ao processo como um todo:

Imagem final:

Fonte: Baboo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: