GT300 decreta morte da GPGPU e inicia era da cGPU

De acordo com os últimos rumores em torno da GT300 (também citada como GT100 e Fermi), a próxima geração de GPUs da NVIDIA promete ser um verdadeiro “divisor de águas” no mundo do processamento computacional 3D.

Fala-se que o novo chip decretará a “morte” do atual conceito de GPGPU, para iniciar uma nova era: a da cGPU.

O chip conta com blocos de 16 Streaming Multiprocessor (novo nome para os Shader Clusters), cada um contando 32 núcleos, totalizando assim os 512 CUDA cores. Tal mudança de conceito e arquitetura trará importante impacto para o processamento das futuras aplicações, uma vez que cada unidade poderá executar por ciclo de clock uma instrução de inteiro ou ponto flutuante por thread.

Assim como o G80, o GT300 conta com 6 blocos de controladora de memória de 64 bits, totalizando assim 384 bits, com o diferencial pelo fato de aposentar as GDDR3, passando a utilizar as novas GDDR5. Analistas de mercado acreditam que as VGAs só deverão passar a contar com controladoras de 512bits, com a utilização de litografia em 28 ou mesmo 22nm.

A placa contaria com as seguintes especificações:

• 3.0-3.2 bilhões de transistores
• Litografia de 40nm da TSMC
• Interface de memória de 384 bits
• 512 CUDA cores (mais novo nome para designar os shader cores)
• 32 CUDA cores por Shader Cluster
• 1MB de memória cache L1
• 768KB de memória cache L2 unificada
• 1,5/3/6GB de memória GDDR5
• Half Speed IEEE 754 Double Precision

As mudanças na arquitetura foram tantas, que a GT300 mudará a maneira de como uma GPU passará a funcionar. A nova geração de chips da NVIDIA opera com 512 operações Fused Multiply-Add [FMA] por clock em um único modo de precisão simples,  ou 256 FMA por clock com precisão dupla. Outra novidade está no formato IEEE. No passado as GeForces suportavam o antigo padrão IEEE 754-1985 para os cálculos de pontos flutuantes,enquanto que a Fermi  contará com o suporte ao novo formato IEEE 754-2008.

A macro arquitetura da GF100 conta com suportes nativos a C [CUDA], DirectCompute, DirectX 11, Fortran, OpenCL, OpenGL 3.1, OpenGL 3.2 e de quebra, será a primeira GPU da história a suportar nativamente a linguagem C++, sem nenhuma “artimanha” ou penalidades. Assim, os desenvolvedores e programadores como um tudo, terão uma plataforma bastante flexível e robusta.

A geração GT300 será composta por 3 divisões distintas: consumidores com a linha GeForce (1,5/3GB VRAM); Quadro, para uso comercial; e Tesla, para uso científico. Estas duas deverão possuir modelos com VRAM de 3/6GB.

Fonte: Adrenaline

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: